11.9.12

Perdidos entre equívocos

"Poucas vezes sei parar a tempo, poucas vezes me revolto. Dá-me para calar, como se fosse eu próprio uma sala vazia. No entanto, as tuas palavras ressoam sempre em mim, com tónicas e acentos circunflexos. A tua voz descobre as minhas emoções e encosta-me à parede, encurralado, quase sem ar, como só tu consegues. Fico à toa, dirias tu. Eu nunca o diria dessa maneira. 
Tu e eu não perdemos tempo com a gramática. 
Vivemos, tu e eu, perdidos entre equívocos."
 

Nenhum comentário: